Três meses depois das primeiras manchas, origem do óleo é desconhecida e ninguém foi indiciado

Mais de 800 locais já foram atingidos pelas manchas de óleo no litoral. Investigação da Polícia Federal aponta navio grego como principal suspeito, mas empresa que fez laudo usado pela PF para chegar a embarcação diz que não descartou 'navios piratas'

30/11/2019 as 06:35


00:00/06:40

Óleo atinge 803 localidades, diz Ibama

Três meses depois de as primeiras manchas de óleo surgirem no litoral da Paraíba, o número de locais afetados ainda aumenta: mais de 800 pontos já foram atingidos, segundo o Ibama. O governo federal criou um grupo de trabalho para coordenar a resposta ao desastre e investigar sua origem. Apesar disso, nenhum navio ou empresa foi indiciado.

Para o coordenador do Centro Nacional de Monitoramento e Informações Ambientais (Cenima), ligado ao Ibama, a chance de encontrar a origem do óleo é cada vez menor.

"Perdemos o 'timing'. Quanto mais passa o tempo, mais difícil encontrar a origem. Você perde as conexões, precisa mapear as correntes e, como espalhou demais, puxar o fio da meada é complicado" – Pedro Bignelli, coordenador-geral do Cenima.

A investigação conduzida pela Polícia Federal do Rio Grande do Norte em conjunto com a Marinha apontou o navio grego Bouboulina como o principal suspeito pela poluição. No entanto, além dele, a Marinha notificou outros 29 navios. Especialistas em análise de imagens por satélite questionam a validade do levantamento usado pela PF para chegar ao Bouboulina porque o óleo no mar pode não ser visível em imagens de satélite.

Abaixo, o G1 reúne as respostas para 7 perguntas sobre o tema:

  • Qual a cronologia e a evolução da contaminação das praias?
  • Qual foi a resposta do governo?
  • Quais as possíveis origens do óleo?
  • O que diz a Polícia Federal?
  • O que diz o Ibama?
  • O que diz a Marinha?
  • O que se sabe sobre o óleo?

Veja as respostas às principais dúvidas:

Qual a cronologia e a evolução da contaminação?

As primeiras manchas de óleo foram registradas em 30 de agosto no litoral da Paraíba. Desde então o material se espalhou rapidamente pela costa e atingiu todos os estados do Nordeste, além do Espírito Santos e, mais recentemente, o Rio de Janeiro. Algumas localidades foram atingidas pelo óleo mais de três vezes diferentes, segundo levantamento feito pelo G1 no início de novembro.

Nas última semanas o volume de óleo encontrado nas praias diminuiu, segundo a Marinha. No entanto, ao longo dos últimos três meses, quase 5 mil toneladas foram recolhidas.

Segundo a chefe de emergências ambientais do Ibama, Fernanda Pirillo, três fatores fazem com que o desastre seja considerado "sem precedentes": a extensão da área afetada, a recorrência do óleo em áreas previamente limpas e o desconhecimento da origem do poluente.

"Esse evento é algo inédito no Brasil. Esses três fatores não são os únicos que o tornam complexo, mas são os que fazem com que ele seja realmente sem precedentes" - Fernanda Pirillo, coordenadora de emergências ambientais do Ibama.
Mancha de óleo vista no litoral de Maragogi, em Pernambuco, no dia 17 de outubro — Foto: Diego Nigro/ReutersMancha de óleo vista no litoral de Maragogi, em Pernambuco, no dia 17 de outubro — Foto: Diego Nigro/Reuters

Mancha de óleo vista no litoral de Maragogi, em Pernambuco, no dia 17 de outubro — Foto: Diego Nigro/Reuters

De acordo com oceanógrafos, os danos do óleo no litoral do Nordeste vão durar décadas. Manguezais e recifes de corais, que são considerados ecossistemas frágeis, podem apresentar sequelas diversas nos próximos anos.

Qual foi a resposta do governo?

Ambientalistas criticaram a resposta governamental ao desastre do óleo nas praias. O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, visitou em outubro estados atingidos pelas manchas, mas o presidente Jair Bolsonaro ainda não esteve no Nordeste desde o início da crise. As principais ações oficiais contra o avanço das manchas de óleo foram:

  • Ativação do Plano Nacional de Contingência
  • Criação do Grupo de Acompanhamento e Avaliação (GAA)
  • Abertura de inquérito da Polícia Federal
  • Monitoramento do Ibama e da Marinha

A crítica mais comum entre os ativistas é de que o Planalto demorou a acionar o Plano Nacional de Contingência para Incidentes de Poluição por Óleo (PNC). O Ministério Público Federal (MPF) dos nove estados do Nordeste chegou a mover uma ação conjunta pedindo que a Justiça Federal obrigasse a União a acionar o plano em até 24 horas.

No final de outubro, quase dois meses depois do início das manchas, o governo federal decidiu reunir em Brasília os órgãos que estão combatendo as manchas de óleo e criou o Grupo de Acompanhamento e Avaliação (GAA), que inclui a Marinha, a Polícia Federal e o Ibama.

Óleo coletado em Belmonte (BA) na terça-feira (12) — Foto: Divulgação/Prefeitura de BelmonteÓleo coletado em Belmonte (BA) na terça-feira (12) — Foto: Divulgação/Prefeitura de Belmonte

Óleo coletado em Belmonte (BA) na terça-feira (12) — Foto: Divulgação/Prefeitura de Belmonte

Além disso, foi aberto um inquérito pela Polícia Federal do Rio Grande do Norte para apurar possíveis responsáveis pelo vazamento de óleo no início de outubro.

O Ibama afirma que tem monitorado as praias atingidas e divulgado listas com o nome dos locais afetados periodicamente. A Marinha também criou um canal para responder às principais dúvidas e postar atualizações das ações desenvolvidas pelos militares.

Quais são as possíveis origens do óleo?

A linha de investigação mais ventilada é que um vazamento tenha ocorrido ou de um navio ou em uma transferência de carga entre dois navios na corrente Sul-Equatorial, a aproximadamente 600 a 700 km da costa brasileira.

A partir dessa hipótese, pesquisadores de universidades brasileiras, analistas estrangeiros e órgãos governamentais brasileiros chegaram a conclusões diferentes.

A Polícia Federal, em inquérito baseado em um relatório de uma empresa privada, disse que o principal suspeito é o navio grego Bouboulina. A conclusão é baseada em imagens de satélite que mostrariam que o navio passou no local onde haveria uma grande mancha de óleo no oceano.

A Universidade Federal de Alagoas (Ufal) localizou duas manchas que seriam de óleo: uma no Sul da Bahia e outra no Rio Grande do Norte. A partir disso, os pesquisadores chegaram a uma embarcação que percorre a rota Ásia-África-América com frequência e que transportava petróleo venezuelano.

Já o Ibama disse, por meio de notas técnicas, que não é possível visualizar a mancha por meio de imagens de satélite, já que ela não fica na superfície.

Para o analista Bjorn Bergman, da Skytruth, empresa que reúne, entre seus fundadores, organizações como Google e Oceana, a hipótese levantada pela Polícia Federal é pouco provável.

"O navio [Bouboulina] estava no lugar errado na hora errada. Isso não me parece o bastante", diz Bergman.

O representante da empresa especializada em análises do mar via satélite também não concorda com a análise da Ufal. Para ele, as manchas de óleo observadas pelas duas análises podem ser algas ou cardumes de peixes, por exemplo.

O que diz a Polícia Federal?

A Operação Mácula apontou o navio grego Bouboulina como principal suspeito de derramar ou vazar o óleo. A investigação da polícia se baseou em um relatório da empresa HEX Tecnologias Geoespaciais: feito em seis dias, o levantamento analisou 829 imagens de satélites das agências espaciais americana (Nasa) e europeia (ESA) por meio de uma plataforma de processamento.

O resultado anunciado dessa análise foi a detecção de uma feição de óleo a cerca de 700 quilômetros da costa da Paraíba.

No laudo que baseou a investigação da PF, a empresa disse que “foi encontrada somente uma embarcação que passou pelo polígono no período especificado”. O cruzamento foi feito por meio de uma ferramenta da Airbus que monitora o sinal AIS (Automatic Identification System) de milhares de navios. Após essa afirmação, o relatório do dia 1º mostra uma imagem do navio Bouboulina, que manteve o sinal AIS ligado. O navio grego é o único cujo nome é citado no arquivo.

Relatório que baseou investigação da Polícia Federal indica navio Bouboulina — Foto: Arte/G1Relatório que baseou investigação da Polícia Federal indica navio Bouboulina — Foto: Arte/G1

Relatório que baseou investigação da Polícia Federal indica navio Bouboulina — Foto: Arte/G1

Um novo posicionamento da HEX, divulgado no dia 5, diz que os técnicos da empresa apontaram “quais foram as embarcações que passaram pelas áreas” onde foram localizadas manchas de óleo e que outras embarcações também estão sob suspeita, incluindo "navios piratas".

"Não procede a informação divulgada pela mídia de que a empresa descartou a presença de um "navio pirata" durante o período analisado. O que ocorreu foi que os técnicos da empresa apontaram quais foram as embarcações que passaram pelas áreas que subsequentemente vieram a refletir as manchas de óleo que atingiram a costa brasileira". - Nota da HEX Tecnologias Geoespaciais

Em entrevista ao G1 o diretor da empresa, Leonardo Barros, afirmou que “existem outras embarcações que estiveram próximas do polígono, do incidente”, mas que elas não foram citadas no relatório entregue à PF porque “uma análise de contexto, levando em consideração outras variáveis”, fez com que o navio grego Bouboulina gerasse “um indicativo maior”.

Leonardo Barros, diretor-executivo da Hex, empresa de Brasília que localizou origem do óleo que provocou desastre ambiental na costa brasileira — Foto: Nicole Angel/ G1Leonardo Barros, diretor-executivo da Hex, empresa de Brasília que localizou origem do óleo que provocou desastre ambiental na costa brasileira — Foto: Nicole Angel/ G1

Leonardo Barros, diretor-executivo da Hex, empresa de Brasília que localizou origem do óleo que provocou desastre ambiental na costa brasileira — Foto: Nicole Angel/ G1

A Marinha brasileira reiterou que o navio grego investigado pela Polícia Federal é o principal suspeito mas disse que a investigação continua e outras 29 embarcações foram convidadas a prestar esclarecimentos (leia mais sobre as notificações da Marinha abaixo).

A Delta Tankers, proprietária do Bouboulina, rechaça a acusação feita pela PF e diz ter provas de que seu navio não tem envolvimento com o incidente.

O que diz o Ibama?

Uma das principais dificuldades em apontar a origem do óleo está na sua condição de dispersão. Diversos especialistas do Ibama ouvidos pelo G1 disseram que o petróleo que contamina o litoral brasileiro se dispersa de maneira subsubperficial, ou seja, a até 2 metros de profundidade.

Em 16 de outubro, servidores do Ibama que trabalham com monitoramento de satélites disseram que, após extensa análise de imagens, não foram encontradas manchas de óleo no oceano. Segundo eles, essa análise demonstra que o óleo não veio boiando pelo oceano até atingir as praias, mas que estava submerso, o que dificulta a localização da origem do vazamento por meio de imagens e radares.

Em entrevista ao G1 a diretora de emergências ambientais do instituto, Fernanda Pirillo, confirmou que a "condição de dispersão subsuperficial faz com que o óleo não seja detectado por imagem de radar." Segundo Pirillo, o Ibama não teve acesso ao relatório feito pela HEX Tecnologias Geoespaciais, que embasou o inquérito da PF.

Antes da divulgação do laudo da HEX, que afirma ter encontrado a origem das manchas, outros pesquisadores haviam localizados potenciais vazamentos de óleo por meio de imagens de satélite. Suas conclusões foram refutadas pelo Ibama.

Um parecer de técnicos do Ibama publicado no dia 4 de novembro é taxativo ao afirmar que imagens de satélite não são capazes de localizar manchas de óleo no oceano. O documento ao qual o G1 teve acesso tem como objetivo detalhar o porquê de uma mancha vista por pesquisadores da UFRJ e da UFAL não ter relação com o desastre. A base do trabalho dos pesquisadores das duas universidades é semelhante ao da empresa HEX. Todos usam, entre outras imagens, fotografias do satélite Sentinel, da ESA.

Trecho de nota técnica do Ibama — Foto: Reprodução/IbamaTrecho de nota técnica do Ibama — Foto: Reprodução/Ibama

Trecho de nota técnica do Ibama — Foto: Reprodução/Ibama

O que diz a Marinha?

Em 10 de outubro, 42 dias após surgir a primeira mancha de óleo no Nordeste, a Marinha informou que investigava 30 navios-tanque de 10 diferentes bandeiras. Para chegar a estas embarcações, foram analisados 1.100 navios-tanque que circularam entre 1º de agosto e 1º de setembro numa área de 800 km de distância da costa brasileira, entre Sergipe e Rio Grande do Norte.

No dia 15 de novembro a Marinha publicou nova nota reiterando que trabalha com "várias linhas de investigação".

"As investigações prosseguem com apoio de instituições públicas e privadas, nacionais e estrangeiras. Todos os recursos disponíveis serão empregados, até que as circunstâncias e a fonte causadora de crime sejam elucidadas”, afirmou a nota.

A empresa Delta Tankers Ltd., administradora do navio Bouboulina, levantado pela Polícia Federal como um dos suspeitos pelo vazamento, informou no dia 5 de novembro que foi notificada pela Marinha do Brasil junto com outras 4 embarcações gregas. São elas:

  • Maran Apollo
  • Maran Libra
  • Minerva Alexandra
  • Cap Pembroke
00:00/03:41

PF e Marinha suspeitam que petroleiro grego provocou poluição de praias no Nordeste

Dentre os cinco navios gregos notificados pela Marinha do Brasil na investigação sobre o vazamento de óleo, dois não transportaram petróleo da Venezuela no período de julho até setembro. Entre os três que chegaram a transportar óleo venezuelano, apenas um (o Bouboulina) teria passado pelo litoral nordestino antes do dia 30 de agosto, quando as primeiras manchas foram registradas.

As informações sobre a carga e a trajetória dos cinco navios notificados foram fornecidas, a pedido do G1, pela empresa de inteligência de dados Kpler, com base nos dados da notificação divulgados pela Delta Tankers, empresa proprietária do navio Bouboulina.

A Marinha brasileira não revela, oficialmente, quais são as embarcações que foram notificadas na investigação nem confirma se essas cinco embarcações gregas fazem parte do grupo de 30 notificações. Também não informa quais seriam os outros 25 navios de outras nacionalidades convidados a prestar esclarecimentos.

Rota dos cinco navios notificados pela Marinha  — Foto: Roberta Jaworski/G1Rota dos cinco navios notificados pela Marinha  — Foto: Roberta Jaworski/G1

Rota dos cinco navios notificados pela Marinha — Foto: Roberta Jaworski/G1

O que se sabe sobre o óleo?

Segundo a Petrobras, o petróleo bruto que atinge as praias do Brasil é de origem venezuelana. As análises da empresa, no entanto, ainda não foram divulgadas ao público, o que poderia facilitar o trabalho de investigação de cientistas, segundo Bjorn Bergman, da Skytruth.

A Marinha afirma que as amostras analisadas pelo Instituto de Estudos do Mar Almirante Paulo Moreira (IEAPM) e também pela Petrobras mostraram que o óleo encontrado em diferentes praias do Nordeste é o mesmo e que teria sido extraído em campos da Venezuela. “Como contraprova, foram emitidas amostras desse óleo para análise por instituições no exterior, a fim de ratificar suas características e origem”, disse a Marinha em nota.

Apesar disso, ainda não foram divulgadas ao pública a íntegra das análises do IEAPM, da Petrobras e das instituições internacionais citadas pela Marinha.

Patrulha da Marinha acha indícios de óleo na praia de Taíba, no litoral cearense — Foto:  Helene Santos/SVMPatrulha da Marinha acha indícios de óleo na praia de Taíba, no litoral cearense — Foto:  Helene Santos/SVM

Patrulha da Marinha acha indícios de óleo na praia de Taíba, no litoral cearense — Foto: Helene Santos/SVM

O petróleo encontrado nas praias parece ser do tipo extra-pesado, considerado um dos mais tóxicos e prejudiciais ao meio ambiente. "Ele tem mais frações tóxicas do que um óleo leve, cujos componentes seriam vaporizados mais facilmente", explica Ronaldo Gonçalves, professor de engenharia química no Centro Universitário FEI e especialista em análise de petróleo.

Além disso, trata-se de um material de difícil detecção por imagens de satélite. Por ser extrapesado, esse óleo é mais denso que a água salgada e fica parcialmente submerso, o que dificulta sua identificação até chegar próximo à costa, onde forma manchas escuras e assume características similares ao piche.

00:00/06:40

Experimentos mostram como manchas de óleo estão se espalhando pelo Nordeste

A Petrobras disse ainda não ter mecanismos técnicos para impedir a chegada do óleo vazado no mar às praias por conta da densidade da substância. Por isso, a empresa admitiu aguardar a chegada do material para fazer a limpeza.

"Fica praticamente impossível você pegar esse óleo e segurar com barreiras e outros instrumentos que a gente tem. Então, o mecanismo de captura tem sido quando a maré e a corrente jogam para a praia. Infelizmente tem sido desse jeito porque os mecanismos que a gente detém são agulha no palheiro para pegar, por conta da característica do óleo", disse o diretor de Assuntos Corporativos da Petrobras, Eberaldo Neto.

* Colaboraram Elida Oliveira e Fabio Manzano.